Skip to content

7…

DSC_7637DO RIO

O hábito de aproveitar os peixes dos rios e valas foi sendo perpetrado pelas gentes do conselho da Figueira da Foz. As redes para pescar as enguias eram deixadas nas valas e depois recolhidas. Com o proveito da pescaria, em casa, preparavam-se as enguias essencialmente de quatro formas: caldeiradas, ensopados, fritas e ainda grelhadas, servidas com salsa picada e vinagre. Em Armazém de Lavos, as mulheres vendiam os cambos de enguias. Um conjunto delas era enfiado em arames e colocados em cestos de junco.

8…

DSC_9788L… do grão à farinha

Este chão que dá arroz dá também milho, feijão e outros grãos. Cereais uns, leguminosas outros. Uns transformam-se em farinha que dá pão e broa de todos os dias, outros são reis em pratos que nas mesas ricas e nas remediadas, estiveram e estão a prover ao sustento de muitas bocas.

Continua a contagem decrescente… 9

DSC_9117DO FIEL AMIGO…

A história da Figueira está ligada à história da faina maior. Os registos do início da epopeia do bacalhau no nosso país apontam para o século XIV, quando o nosso D. Pedro I assina acordo com Inglaterra para que os armadores de Lisboa e Porto possam pescar na costa inglesa.

Da Figueira há notícias a partir do século XIX. Com grandes campanhas sobretudo nos dois grandes bancos, Terra Nova e Gronelândia.

Uma faina em terras gélidas que fez correr muito sal nas faces de mulheres, crianças e homens desta terra.  Uma luta que não tinha alternativas. O mar, o apelo do mar e a obrigação de sustentar a família. Caminhos árduos, vidas difíceis que parecem irreais.

Ontem, no Mercado Municipal, foi assim…

DSC_4818Decorreu ontem, no Mercado Municipal Engenheiro Silva, na Figueira da Foz, o showcooking «Cozinhar com Salicórnia», com uma adesão intensa e entusiástica. Podem ver mais imagens aqui.

A iniciativa, coordenada pela Divisão de Cultura da Câmara Municipal da Figueira da Foz, contou com a colaboração da restauração local.

O restaurante Marégrafo apresentou três propostas com a inclusão da salicórnia: Gambas salteadas com salicórnia; Pataniscas de cogumelos pleurotus e salicórnia e Caco de gambas com salicórnia. A confeção, a cargo da Regina, deixou satisfeitas as várias dezenas de pessoas que degustaram estas propostas.

A chef Sandra Abrantes, com os seu ajudantes, representou o retaurante Class & Co e, com uma abordagem contemporânea, deixou duas propostas com salicórnia que impressionaram os visitantes do Mercado Municipal. Com peixes da nossa costa e a salicórnia da salina municipal Corredor da Cobra: Ceviche de cavala, pickles de salicórnia, rabanete e emulsao de lima e Filete de pregado em crosta de ervas e salicórnia, espuma de aipo e cenoura baby.

Para além da comunidade local, alguns dos visitantes deslocaram-se de Coimbra, Gouveia e Guarda com o propósito de vir descobrir esta planta.

No final, os visitantes tiveram a oportunidade de levar salicórnia consigo e um «caderno de receitas» com as propostas apresentadas.

A próxima iniciativa, com o protagonismo da salicórnia, decorrerá no próximo dia 1 de agosto, no mesmo local e à mesma hora, com novas receitas com salicórnia.

DSC_4933

DSC_4803

DSC_4836

DSC_4878

DSC_4897

DSC_4916

DSC_4918

DSC_4921

Showcooking «cozinhar com salicórnia»

CARTAZ_10 JUNHOA Divisão de Cultura da Câmara Municipal da Figueira da Foz, com o apoio de várias entidades, pretende divulgar um produto local: a Salicórnia, ou espargos do mar na gíria popular, como lhes chamam os marnotos. Trata-se de uma espécie de praga das salinas, mas abordada pela cozinha contemporânea como um produto gourmet. Sendo uma planta halófita que cresce nas salinas e bastante tolerante ao sal, tem a particularidade de ser salgada, permitindo a sua utilização como substituto do sal. É uma planta sazonal que aparece espontaneamente entre março e agosto, sendo colhida fresca neste período.

De acordo com a opinião médica, a salicórnia é abundante em diversas vitaminas, sais biológicos, ácidos gordos e proteínas, compostos vitais para a saúde e equilíbrio alimentar. É recomendada a hipertensos pela já referida possibilidade de substituto do sal na confeção de refeições culinárias.

Desta forma, a DC convida a descobrir a salicórnia – um produto diferente, inusitado e único – em experiências de degustação que aliam a tradição com a inovação.

A primeira apresentação é já dia 10 de junho, no Mercado Municipal Eng. Silva, pelas 10h. A restauração local apresentará algumas propostas culinárias com a salicórnia e poderá levar consigo esta planta para experimentar em casa.

À beira sal plantada, a salicórnia amada

MUPI SALIC+ôRNIAO percurso tem sido longo, moroso e nem sempre fácil. Contudo, eis que chegou a hora de darmos a conhecer, de forma mais efetiva, a salicórnia amada!

Making of

DSC_3333Após uma jornada intensa, damos por concluído o levantamento fotográfico para a edição do receituário tradicional figueirense. No Mercado Municipal Engenheiro Silva, com a prestimosa colaboração dos comerciantes, foi possível concretizar a última fotografia, talvez a mais importante: a fotografia da capa d’ «A nossa mesa…»! O making of desta sessão poder visto aqui DSC_3337

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 147 outros seguidores