Saltar para o conteúdo

Rústico q.b.

2014-04-05 15.40.04

Correndo o risco de me repetir, volto aos citrinos. O limão, mais uma vez. Esse ingrediente que nunca pode faltar na minha cozinha. Para doces e salgados, com a mesma importância. Com a casca rija e tosca, de preferência. E caseiros, obrigatoriamente!

2014-04-05 15.41.29

Um bolo regado com calda de limão e tendo como gordura o azeite não é novidade por aqui.

Este é um dos preferidos. Rústico, com uma cobertura doce e a acidez suficiente.

Outro dos eleitos é este, numa versão mais soft, com o côco a ajudar a criar uma massa mais macia.

2014-04-05 15.42.32

A sugestão de hoje, é o cruzamento de ambos: uma consistência bem rústica e a acidez mais intensa. Este é definitivamente para amantes  do limão. Na calda não há adição de açúcar. Apenas na cobertura.

2014-04-05 15.42.50

Bolo de aveia com limão e azeite

Ligeiramente inspirado neste

Ingredientes

140 g de farelo de aveia

50 g de farinha de trigo

30 g de amido de milho

1/2 colher de chá de flor de sal

1/2 colher de chá de bicarbonato de soda

200 g de açúcar amarelo

3 ovos

raspa de 2 limões

60 ml de sumo de limão

1 maçã ralada

120 ml de azeite extra virgem

2014-04-05 15.43.38

Cobertura

sumo de 2 limões

5 colheres de sopa de açúcar em pó

2014-04-05 15.44.02

Preparação

*Pré-aqueça o forno a 180°C.

*Forre com papel vegetal uma forma de bolo inglês.

*Juntar os primeiros cinco ingredientes.

*Noutro recipiente, juntar o limão com o açúcar.

*Mexer com a ponta dos dedos para que o limão liberte os seus óleos.

*Adicionar os ovos, o azeite, o sumo de limão e a maçã.

*Envolver com a primeira mistura.

*Colocar  na forma preparada.

*Levar ao forno cerca de 50 minutos, até que um palito saia seco.

*Deixe arrefecer completamente na forma sobre uma grade.

2014-04-05 15.44.14

Preparação da cobertura

*Desenformar e picar com um garfo.

*Verter o sumo de 1 limão em toda a superfície.

*Misturar o açúcar em pó ao sumo do outro limão.

* Cobrir toda a superfície do bolo com essa calda.

2014-04-05 15.44.44

Março marçagão

2014-03-26 15.02.06

«Março marçagão, de manhã inverno, à tarde verão»!

Digam lá que os provérbios não estão mais atuais que nunca?!

Este março está na reta final e tem-nos presenteado com dias frios de inverno, alternados com algumas sugestões de primavera. Mas parece-me que essa ainda não está à porta. Por isso, cá por casa, as receitas ainda estão muito ligadas aos dias invernosos.

2014-03-26 15.01.28

Gosto muito de saladas quentes repletas de vegetais e legumes e com alguma proteína que não tem o papel principal. Normalmente servem para os meus almoços solitários, com as características que tento privilegiar nestas refeições, e de que tenho dado nota noutras publicações: rapidez, sabor, saudável!

2014-03-26 15.01.43

Salada quente de peixe branco,legumes e funcho

2 filetes de peixe branco (usei pescada)

1 fatia de abóbora

1 malagueta vermelha

1/4 de pimento vermelho

3 folhas de couve-flor

1 ramo de funcho

1 colher de café de sementes de funcho

1 colher de caril em pó

azeite

sal

vinagre de framboesa

2014-03-26 15.02.12

Preparação

* Aquecer azeite numa frigideira antiaderente

* Cortar os vegetais e o peixe em tamanho uniforme

* Abrir as especiarias e as sementes de funcho no azeite

* Saltear os legumes e vegetais

* Cinco minutos antes de terminar, colocar o peixe

* Temperar com o vinagre e sal

* Polvilhar com funcho picado

* Retirar do lume e servir de imediato

2014-03-26 15.03.10

Inconstância

2014-03-22 11.37.39

 

Estava absolutamente determinada a fazer, pela primeira vez, bolos de arroz, neste fim de semana. Depois de ver o soberbo resultado alcançado pela Ilídia, senti-me impelida a fazê-los. Tinha todos os ingredientes, mas dei conta que faltavam as formas de papel ideais. Ainda pensei substituir por tiras de papel vegetal. Mas depois desisti. Quero semelhantes às da Ilídia para ser mesmo à séria!

2014-03-22 11.37.02

 

Entretanto espreitei o bolo que a Lia “ofereceu” à Inês e fiquei tentada. Sobretudo porque os bolos com frutas são, de facto, os meus preferidos. Acresce a isso, o facto de cá por casa os frutos vermelhos também serem muito apreciados. Pensei então que seria este o bolo de fim de semana, numa tentativa de celebrar tardiamente o dia do pai. Um bolo feito seis mãos.

2014-03-22 11.37.51

 

Sexta-feira, final do dia. A expetativa dos dias mais tranquilos. Espreito, ainda que de forma fugaz, um ou dois livros da prateleira de culinária. E como invariavelmente acontece, o Seasons agarra-se às mãos.

2014-03-22 11.38.25

 

De forma quase automática e inconsciente procuro bolos com frutos vermelhos. Uma tarte aqui, um clafoutis acolá e depois um bolo muito apelativo de fruta, mas não vermelhos, com pêssegos. Observo os ingredientes. A farinha de amêndoas é sempre vencedora, qualquer que seja o bolo. E as claras a acumularem-se no congelador também deviam ser usadas. Mas não tenho pêssegos. Mas porque não substituir pelos frutos vermelhos que pareciam ter outro destino?

2014-03-22 11.38.46

 

Está resolvido, faço este! O maravilhoso bolo da Lia ficará para outro dia, da mesma forma que ficaram os bolos de arroz. Não sei se ficámos a perder, contudo o resultado foi um bolo que, ao contrário de tantos outros, não sobrou para distribuir na segunda-feira!

2014-03-22 11.39.43

 

Bolo de fruta

(adaptado do Apricot Slice)

Donna Hay – Seasons

Ingredientes

9 claras

360 g de farinha de amêndoa

240 g de icing sugar

225 g de farinha com fermento

150 g de manteiga derretida

3 colheres de sopa de raspa de limão (no original laranja)

125 g de mirtilos

125 g de framboesas

2014-03-22 11.40.18

 

Preparação

* Ligar o forno a 180º

* Misturar todos os ingredientes e combinar até obter uma massa homogénea

* Colocar a mistura numa forma de bolo inglês (no original uma quadrada)

* Espalhar os frutos vermelhos na superfície de forma equilibrada

* Levar ao forno cerca de 50 minutos

Dos cítricos

IMG_8578

Os cítricos por aqui têm lugar de honra. Todos os dias há sumo de laranja natural; o limão entra como tempero em muitas saladas e pratos principais; comer uma laranja a rematar o almoço é prática habitual e as tangerinas e clementinas são por demais apreciadas pelas crianças.

IMG_8583

Ter lemon curd para acompanhar as panquecas também é usual. Normalmente porque opto pelas receitas em microondas. Uma mais valia, parece-me a mim que tenho os atalhos por meus aliados nesta gestão imprescindível de tempo e tarefas.

IMG_8579

Neste inverno tenho alternado entre o lemon curd e uma outra versão menos acre, mas igualmente agradável, com clementinas.

Continua a preferir com limão. Mas gosto de experimentar outros sabores. Ao ponto de ter curiosidade e pensar que num destes dias vou fazer com toranja!

Este serviu para acompanhar uma espécie de pãezinhos, com aspeto de scones.

IMG_8585

Curd de Clementina (adaptado deste)

3 ovos

1/2 chávena de açúcar em pó

100 ml de sumo de clementina

raspa de 3 clementinas

30 g manteiga aos cubos

1 colher de sopa de maizena

IMG_8594

Preparação

*Mexer os ovos com o açúcar até incorporar.

*Acrescentar o sumo e a raspa das clementinas.

* Adicionar a maizena peneirada.

* Levar ao microondas cerca de 7 minutos.

* Verificar a consistência após metade do tempo.

* Pode variar de acordo com a potência do microondas.

* Por fim, adicionar a manteiga.

* Incorporar muito bem.

* Guardar num frasco depois de arrefecido.

* Conserva-se no frigorífico aproximadamente uma semana.

* Pode congelar e servir para momentos de emergência

IMG_8588

Entre dois registos

IMG_8574

Hoje trago uma sugestão que cruza dois registos. Uma sopa com a junção da convencional e do exótico. Sopa do mar com a adição do leite de cocô e folhas de caril.

Habituados à costumeira sopa de peixe e frutos do mar, a que recorro com frequência, consegui, durante as primeiras colheres levadas à boca, um ar de espanto e incerteza. Da surpresa, passaram imediatamente à constatação de que, afinal, era só mais uma sopa com peixe e camarão!

IMG_8560

Para a tornar mais substancial, resolvi usar as ovas da pescada como complemento e não incorporadas na sopa, como por vezes faço. Para isso bastou paná-las num pouco de farinha de milho, temperada com sal e pimenta,  passando-as antes por leite. Numa frigideira aqueci duas colheres de azeite e deixei que tostassem por fora, mantendo a cremosidade interior.

IMG_8564

A adição do leite de cocô, a raspa e sumo de lima e as folhas de caril imprimem uma dimensão completamente diferente à minha convencional sopa do mar. Fiquei com vontade de nova experiência, desta vez sem os sabores do tomate e do pimento.

IMG_8568

Sopa do mar com leite de cocô (para 4 pessoas)

1 ruivo grande

1 cabeça de pescada

1 lata de leite de cocô

2 tomates grandes e maduros sem pele e sementes

1 pimento vermelho pequeno

1 cebola grande

3 dentes de alho

100 g de miolo de camarão

100 g de miolo de mexilhão

1 ramo de coentros

folhas de caril secas

1 colher de chá de açafrão das índias

1 colher de chá de caril

1 colher de chá de coentros em pó

1/2 colher de café de pimenta rosa

1 lima, sumo e raspa

sal

azeite

caldo de peixe caseiro (usei a receita base do Jamie Oliver)

IMG_8575

Preparação

* Cozer o peixe

* Limpar de espinhas e pele, partir em pedaços e reservar.

* Numa panela, saltear a cebola e o alho no azeite

* Acrescentar as especiarias e cozinhar durante cerca de 3 minutos

* Cortar o tomate e o pimento em pedaços pequenos, acrescentar à panela e deixo amaciar

* Juntar o caldo de peixe caseiro e o leite de cocô

* Deixar apurar o molho durante cerca 15 minutos

* Passar a varinha mágica até obter a consistência desejada

* Acrescentar caldo de peixe caso necessite

* Juntar o peixe

* Colocar em lume médio e acrescentar o marisco

* Retirar do lume e deixar cozer com a temperatura residual

* Deitar a raspa e sumo da lima

* Servir com as ovas panadas e salpicar com os coentros e sumo de lima

IMG_8576

Normalmente uso o ruivo nas sopas de peixe. Aliás, nunca o uso noutro prato. Gosto do seu sabor, da cor e consistência mas nunca me ocorrem outras possibilidades.

Aceitam-se sugestões ;)

IMG_8556

IMG_8558

Porque é Carnaval…

IMG_8410

… decidi brincar com a tradição. Não é novidade, é um facto, mas por aqui nunca antes tinha sido experimentado. Servi, num brunch, um capuccino com um pastel de nata. Até aqui nada de novo. Porém, o inusitado acontece. Brincar ao Carnaval pode ser também brincar com a comida. O que parece não é. Um capuccino… de cogumelos. Um pastel de nata… salgado.

A inspiração vem do chef José Avillez que já nos habituou a dar nova roupagem aos pratos tradicionais da cozinha portuguesa e outras referências.

Assim, seguindo a sua receita, preparei estes pastéis de nata salgados que servi com uma sopa de cogumelos portobello.

IMG_8412

Pastéis de nata salgados com alho francês -  José Avillez (Já ao Lume)

Ingredientes
200g de alho francês – só parte branca
80ml de natas
3 gemas
1 rolo de massa folhada retangular
Manteiga
Sal e pimenta

Preparação
* Ligar o forno a cerca de 200º

* Desenrolar a massa folhada, polvilhar com um pouco de farinha e passar o rolo da massa

* Voltar  a enrolar formando um pequeno rolo, embrulhar em papel vegetal e reservar no frigorífico

* Cortar o alho francês em rodelas finas e levar a suar juntamente com uma colher de sopa de manteiga cerca de 10 minutos. acrescentar um pouco de água

* Retirar do lume e deixar arrefecer

* Bater as gemas com as natas e temperar com sal e pimenta

* Reduzir a puré o alho francês e adicionar à mistura de natas com as gemas

* Cortar  a massa em pedaços com cerca de dois cm

* Forrar as formas de queques com a massa, espalmando com a ajuda dos dedos

* Encher  as formas até 2/3 da sua capacidade com o creme

* Levar ao forno cerca de 12 minutos ou até apresentarem o aspeto tostado dos tradicionais pastéis de nata

* Retirar do forno e deixar arrefecer ligeiramente antes de desenformar

* Servir mornos ou à temperatura ambiente

IMG_8415

Demper, os livros e os amigos

IMG_8537

Tenho a sorte de ter uma família e amigos próximos que conhecem bem as minhas preferências. Nunca me acontece ter de disfarçar desapontamento quando recebo um presente. Eles sabem mesmo do que gosto. É por isso que, a maioria dos presentes que recebo, são livrosliteratura, história, crónicas e claro, gastronomia|culinária.

IMG_8530

O meu amigo P., ao longo destas duas décadas de amizade que nos ligam, tem enriquecido de forma permanente, inteligente e audaciosa a minha biblioteca. Foi com os presentes dele que fui descobrindo autores a que fiquei irremediavelmente rendida, outros que me proporcionaram experiências gastronómicas que se tornaram uma tradição. Vai, sabiamente, alternando as suas escolhas entre a literatura – um hábito de sempre – e a gastronomia, que se tornou uma paixão na minha vida, na última década.

IMG_8532

O presente mais recente foi um livro lindo, escrito em inglês – que é uma boa maneira de ir exercitando esse idioma – com receitas clássicas, outras que são novidade; boas fotografias e técnicas obrigatórias para quem pretende evoluir nestas lides.

IMG_8539

A escolha, para iniciar a experimentação das receitas, foi fácil. Afinal, o fim de semana não estava destinado à cozinha! Assim, e porque o sábado foi dia de brunch, enquanto o resto da família ainda descansava, liguei o forno, pus as mãos na massa, e em pouco mais de meia hora, este pão quentinho, barrado com manteiga e compotas variadas, vestiu a mesa de conforto e satisfação.

IMG_8545

Demper (Australian Bush Bread)The Golden Book of Cooking

[esta receita foi inventada pelos camionistas australianos que, deslocando-se para longas distâncias, preparam, com ingredientes básicos, em fogões de campismo, o seu pão diário, para iniciar o dia]

450 g de farinha de trigo

2 colheres de chá de fermento

1|2 colher de chá de sal

90 g de manteiga

180 ml de água

Preparação

* Ligar o forno a 190º

* Peneirar para uma taça grande a farinha, o fermento e o sal

* Cortar a manteiga em pedaços pequenos

* Juntar a manteiga à farinha, desfazendo com a ponta dos dedos, com o mesmo procedimento que se aplica no crumble

* Abrir um buraco no meio da mistura e adicionar a água

* Envolver bem até formar uma massa homogénea

* Num tabuleiro ou forma, colocar uma folha de papel vegetal ou pincelar com óleo ou manteiga

* Fazer um disco com a massa com um diâmetro de aproximadamente 20 cm

* Com uma faca bem afiada, dividir a massa em 8 triângulos, com cortes superficiais

* Levar ao forno cerca de 20 a 25 minutos até cozer e ficar dourado

* Retirar do forno e servir quente ou morno com compotas, geleias e manteiga

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 117 outros seguidores